quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Educação: os países mais gastadores e os que tem maior qualidade

Esta tabela mostra-nos a percentagem do investimento na educação, em relação ao total do PIB dos países contabilizados.

RankingPaísGasto com educaçãoPosição no Pisa
1Islândia7,80%16º lugar
2Noruega7,30%12º lugar
3Suécia7,30%19º lugar
4Nova Zelândia7,20%7º lugar
5Finlândia6,80%3º lugar
6Bélgica6,60%11º lugar
7Irlanda6,50%21º lugar
8Estônia6,10%13º lugar
9Argentina6%58º lugar
10Áustria6%39º lugar
11Holanda5,90%10º lugar
12França5,90%22º lugar
13Israel5,80%37º lugar
14Portugal5,80%27º lugar
15Brasil5,70%53º lugar
16Eslovênia5,70%31º lugar
17Reino Unido5,60%25º lugar
18Suíça5,50%14º lugar
19Estados Unidos5,50%17º lugar
20México5,30%48º lugar
21Hungria5,10%26º lugar
22Polônia5,10%15º lugar
23Canadá5,10%6º lugar
24Alemanha5,10%20º lugar
25Coreia do Sul5%2º lugar
26Espanha5%33º lugar
27Austrália5%9º lugar
28África do Sul4,80%(não participa)
29Rússia4,70%43º lugar
30Itália4,70%29º lugar


Os últimos na classificação dos mais gastadores são: a Indonésia (investimento de 3% do PIB), a Índia (investimento de 3,5%), o Japão (3,8%), a Eslováquia (4,1%) e República Checa (4,4%). 



Isto demonstra que os países não precisam de gastar muito, mas gastar bem. A lógica é investir no capital humano formado no país, para que se possa tirar proveito desse investimento. Isto não está a acontecer em Portugal, porque o Estado está a investir na formação de inúmeros jovens, obrigando-os a emigrar... Porque não existe espaço para nós no mercado de trabalho...
Deixo-vos algumas perguntas:

  • Este sistema de ensino prepara suficientemente bem os alunos?
  • Os alunos saem das universidades prontos a iniciar a sua vida profissional?
  • O ensino em Portugal é exigente?




4 comentários:

Runaway* disse...

1 - Qual é o sistema de ensino que prepara bem os alunos, quando o principal objectivo são os números?
O que se passa com os cursos profissionais do IFP, é simplesmente castrador para as ambições de qualquer professor responsável.

2 - Ahah, alguns nem saem a saber a diferença entre um "há" e um "à", quanto mais a iniciar a vida profissional.

3-3 Muito exigente. Exige a professores competentes que engulam sapos vivos e fechem os olhos à indisciplina dos alunos, para não terem de ficar a preencher papelada inútil, fora das horas de expediente. loool

Isto só lá ia esmagando umas quantas cabeças com uma moca de Rio Maior. eheheh

alexandra disse...

São sim, concordo contigo : )
E quanto aos sms's, ainda bem.

Pi Maria disse...

Sinceramente não me espanta nada a posição em que Portugal se encontra. Afinal o que o Governo quer são diplomas, números para as estatísticas, para ficar bem no retrato. O resto (se os licenciados arranjam emprego, se o ensino é exigente...) é coisa que não lhes interessa, porque como sabemos custa puxar pela cabeça e fazer as coisas bem, não olhando aos números, parece que é algo que não entra no vocabulário do atual governo.

Na minha opinião o ensino atual não é suficientemente exigente, cada vez é mais fácil tirar uma licenciatura, e isso não é culpa só do governo mas claramente também dos professores, que não sabem ensinar ou são então comprados.
Por outro lado, respondendo a outra pergunta tua, considero que hoje em dia ter uma licenciatura não é sinónimo de emprego garantido. Além desta crise que vivemos, os universitários não saem suficientemente preparados, o que faz com que as ofertas de emprego não sejam muitas :S

Beijo ^^

Carolina disse...

Um ensino que se baseia nas estatísticas não poderá ser, nunca, perfeito... Acho que a exigência no ensino "normal" não é demais e em parte depende de cada escola mas o problema é que os cursos do ensino recorrente são absolutamente ridículos...